Make your own free website on Tripod.com

 

 

A cura que se deseja

Impressionantes casos de curas são relatados por especialistas e estudiosos da área médica.
O oncologista Bernie Siegel, narra o caso muito curioso de uma paciente que o procurou.

Quando recebeu o diagnóstico de que teria somente poucas semanas de vida, pediu para consultar com Dr. Siegel.
Tentaram a princípio, demovê-la da idéia. Ela estava muito doente, a clínica ficava muito distante, ela já tinha um diagnóstico. Ela insistiu, conseguindo seu intento.

Dr. Siegel a examinou e lhe disse que ela chegara tarde demais. Como médico, constatara que nem cirurgia,
 nem quimioterapia poderiam curá-la.

Seu destino era mesmo a morte, a etapa final da natureza biológica.
A mulher estava irredutível e passou a crivá-lo de perguntas: Ela teria uma chance em dez?
Com a resposta negativa, ela foi prosseguindo com as perguntas:
Teria uma chance em cem? Em mil? Em um milhão?

Bom, em um milhão de pacientes, é provável, falou o especialista.
De olhos brilhando, com firmeza, ela argumentou:
Então, doutor, cuide de mim, porque eu sou essa paciente no meio do milhão.

Dada a firmeza da mulher, ele iniciou o tratamento.
Quando foi estudar seu histórico médico, Dr. Siegel deu-se conta que o câncer de que ela era portadora,
começara exatamente quando ela entrou em um processo litigioso de divórcio.

Ela ficara tão triste, que desejara morrer, para se vingar do marido.
Foi quando gerou o câncer.

Trabalhou o médico essa questão com ela: Morrer por causa de uma pessoa?
E motivou-a. Ela se submeteu à terapia psicológica de otimismo, enquanto fazia quimioterapia.
Resultado final: ela se curou.

O Dr. Siegel, que tem a certeza de Deus e de que o organismo é uma máquina extraordinária,
conta que calcula o tempo de vida de seus pacientes pela forma como eles encaram a enfermidade.
Há os que optam pela terapia psicológica, porque crêem na vida e desejam lutar.
São os que vivem mais.

Há os que simplesmente se entregam, não desejando lutar.
São os que perdem a batalha mais rapidamente, isto é, a vida.

* * *

Se você está enfermo, se recebeu um diagnóstico de difícil sobrevida,
não se entregue.
A morte chegará, com certeza, pois nenhum ser vivo a ela escapa.
Mas poderá chegar mais tarde. E sem tantos traumas.

Encare a enfermidade e decida-se por viver o melhor possível, emocionalmente falando.
Ame-se, ame aos que o cercam, ame a vida.
Não importa o tratamento a que você se submeta,
ele terá total, parcial ou nenhuma eficácia, conforme o deseje você.
Pense nisso e decida o que almeja para si.




Baseado no cap. 25 do livro Um encontro com Jesus
compilado por Délcio Carlos Carvalho, ed. Leal.

 

 

HOME       VOLTAR